FRONTOPLASTIA FEMINIZADORA

INFORMAÇÕES GENÉRICAS

É um procedimento que consiste em modificar o terço superior da face em pacientes trans femininas. O terço superior da face masculina apresenta características marcantes e distintas em relação à face feminina, e o objetivo da cirurgia é atenuar tais características, dando um aspecto mais feminino à região, facilitando desta forma o engajamento social das pacientes.

É uma técnica cirúrgica muito procurada e que permite resultados satisfatórios. Mais comumente, o procedimento envolve a região da testa, sobrancelhas e região temporal.

Em específico, os pontos a serem tratados são:

A linha capilar da testa, que será avançada se necessário. Em algumas pacientes haverá também necessidade de implante capilar nessa área, principalmente para tratamento das “entradas”; 
As proeminências supraorbitárias (proeminências na região das sobrancelhas e entre estas) que serão reduzidas; 
A musculatura da glabela (região entre as sobrancelhas) que será suavizada; 
As sobrancelhas, que serão elevadas para uma posição mais feminina bem como ficarão mais arqueadas; 
Outro ponto chave da cirurgia consiste no aumento da abertura vertical da órbita, modificando o olhar da paciente, tornando-o mais suave, dócil e feminino.

Picture 1

Tratamento Ósseo

Para redução das proeminências supraorbitárias, o cirurgião deverá tratar o osso ali existente (osso frontal) e duas possibilidades existem, a saber:

Em pacientes que apresentam os seios frontais hiperaerados e com paredes anteriores finas, o cirurgião procederá ao desbaste ósseo das regiões laterais, porém haverá necessidade de retirada das paredes anteriores dos seios frontais e desbaste ósseo da base, com posterior fixação das paredes anteriores, ao final da cirurgia, com placas e parafusos (cirurgia tipo III);
Em pacientes que apresentam os seios frontais hipoaerados e com paredes anteriores espessas, o cirurgião procederá ao desbaste ósseo das regiões laterais e das paredes anteriores dos seios frontais, sem necessidade de retirá-las e fixá-las com placas e parafusos (cirurgia tipo I).

A indicação para o tratamento ósseo específico será feita no pré-operatório, após análise radiográfica da região frontal. 

Nos casos em que houver necessidade de retirada das paredes anteriores dos seios frontais e fixação com placas e parafusos, há duas modalidades de placas e parafusos a serem utilizados, os de titânio (inabsorvíveis) e os compostos de ácido poli-L-lático e ácido poli-glicólico, os quais são absorvíveis. 

Anestesia

Geralmente emprega-se a anestesia local com sedação assistida. Em casos selecionados pode ser utilizada a anestesia geral. Há possibilidade de que a escolha seja feita pela paciente, todavia com prévia ponderação de sua conveniência com a equipe cirúrgica e anestésica

Operação

O tempo cirúrgico é variável de paciente para paciente, mas em média dura em torno de 2 a 3 horas.

Associação com Blefaroplastia e outros procedimentos

É comum a associação da Frontoplastia Feminizadora com Blefaroplastia (cirurgia plástica das pálpebras) e outros procedimentos complementares como preenchimento de rugas, dermoabrasão, rinoplastias (cirurgia plástica do nariz), aplicação de toxina botulínica (Botox®), etc., os quais são chamados Procedimentos Ancilares.

Comumente as pacientes que apresentam indicação de Frontoplastia Feminizadora, têm associado ptose (queda) dos supercílios, fato esse que deve ser avaliado detalhadamente pelo cirurgião, visto que nesses casos, é de extrema importância a elevação dos supercílios associada, sendo um dos objetivos da cirurgia.

Localização da cicatriz da operação

Normalmente as cicatrizes situam-se dentro do cabelo, onde raramente são visíveis e em casos selecionados haverá uma cicatriz na transição entre o couro cabeludo e a pele da testa. 

Se for necessário implante capilar para tratamento da linha capilar da testa, o seguimento de couro cabeludo doador poderá ser retirado ou na mesma incisão da Frontoplastia nos casos com incisões apenas dentro do cabelo, ou da região posterior do couro cabeludo nos casos em que necessitará de uma cicatriz na transição entre o couro cabeludo e a pele da testa.

Período de internação

O período normal de internação é de 1 dia.

O pós-operatório é praticamente indolor, sendo que as dores, se houverem, serão facilmente combatidas com analgésicos comuns.

Período de Recuperação

É variável de pessoa para pessoa, mas em média gira em torno de 15 a 20 dias. A partir daí a paciente começa a ter condições para trabalhar, ainda que com restrições.

Curativos e faixa modeladora

São usados curativos com compressas úmidas. O grande curativo (tipo bandagem) é retirado nas primeiras 24 horas de pós-operatório, podendo ainda permanecer curativos leves sobre as cicatrizes residuais, caso sejam necessários. Uma faixa modeladora comprimindo suavemente a face é deixada por tempo prolongado (determinado pelo médico).

Retirada dos pontos  

Em média, do 5º ao 14º dia.

Cuidado com os cabelos 

Entre o 3º e o 7º dia de pós-operatório seus cabelos já poderão ser lavados e penteados, todavia esses atos devem ser desempenhados com cautela e delicadeza. Para secá-los, faça uso de secador manual com ar discretamente aquecido (nunca quente). Caso use tinturas, essas estarão liberadas apenas após a 3ª semana de pós-operatório.

Uso de maquiagem 

Nas pálpebras, três dias após a retirada dos pontos. Na face, em torno de 10 dias. Como este prazo pode variar de acordo com a sua recuperação, peça sugestões ao seu cirurgião.

Retorno às atividades esportivas

Pacientes submetidas à Frontoplastia podem retornar às atividades esportivas depois de decorridos 45 dias da cirurgia, porém devem observar restrição a exposição solar. No entanto deve se observar orientação estrita de não sofrer qualquer trauma na região frontal (testa).

Tratamento Ósseo

Para redução das proeminências supraorbitárias, o cirurgião deverá tratar o osso ali existente (osso frontal) e duas possibilidades existem, a saber:

Em pacientes que apresentam os seios frontais hiperaerados e com paredes anteriores finas, o cirurgião procederá ao desbaste ósseo das regiões laterais, porém haverá necessidade de retirada das paredes anteriores dos seios frontais e desbaste ósseo da base, com posterior fixação das paredes anteriores, ao final da cirurgia, com placas e parafusos (cirurgia tipo III);
Em pacientes que apresentam os seios frontais hipoaerados e com paredes anteriores espessas, o cirurgião procederá ao desbaste ósseo das regiões laterais e das paredes anteriores dos seios frontais, sem necessidade de retirá-las e fixá-las com placas e parafusos (cirurgia tipo I).

A indicação para o tratamento ósseo específico será feita no pré-operatório, após análise radiográfica da região frontal. 

Nos casos em que houver necessidade de retirada das paredes anteriores dos seios frontais e fixação com placas e parafusos, há duas modalidades de placas e parafusos a serem utilizados, os de titânio (inabsorvíveis) e os compostos de ácido poli-L-lático e ácido poli-glicólico, os quais são absorvíveis. 

Anestesia

Geralmente emprega-se a anestesia local com sedação assistida. Em casos selecionados pode ser utilizada a anestesia geral. Há possibilidade de que a escolha seja feita pela paciente, todavia com prévia ponderação de sua conveniência com a equipe cirúrgica e anestésica

Operação

O tempo cirúrgico é variável de paciente para paciente, mas em média dura em torno de 2 a 3 horas.

Associação com Blefaroplastia e outros procedimentos

É comum a associação da Frontoplastia Feminizadora com Blefaroplastia (cirurgia plástica das pálpebras) e outros procedimentos complementares como preenchimento de rugas, dermoabrasão, rinoplastias (cirurgia plástica do nariz), aplicação de toxina botulínica (Botox®), etc., os quais são chamados Procedimentos Ancilares.

Comumente as pacientes que apresentam indicação de Frontoplastia Feminizadora, têm associado ptose (queda) dos supercílios, fato esse que deve ser avaliado detalhadamente pelo cirurgião, visto que nesses casos, é de extrema importância a elevação dos supercílios associada, sendo um dos objetivos da cirurgia.

Localização da cicatriz da operação

Normalmente as cicatrizes situam-se dentro do cabelo, onde raramente são visíveis e em casos selecionados haverá uma cicatriz na transição entre o couro cabeludo e a pele da testa. 

Se for necessário implante capilar para tratamento da linha capilar da testa, o seguimento de couro cabeludo doador poderá ser retirado ou na mesma incisão da Frontoplastia nos casos com incisões apenas dentro do cabelo, ou da região posterior do couro cabeludo nos casos em que necessitará de uma cicatriz na transição entre o couro cabeludo e a pele da testa.

Período de internação

O período normal de internação é de 1 dia.

O pós-operatório é praticamente indolor, sendo que as dores, se houverem, serão facilmente combatidas com analgésicos comuns.

Período de Recuperação

É variável de pessoa para pessoa, mas em média gira em torno de 15 a 20 dias. A partir daí a paciente começa a ter condições para trabalhar, ainda que com restrições.

Curativos e faixa modeladora

São usados curativos com compressas úmidas. O grande curativo (tipo bandagem) é retirado nas primeiras 24 horas de pós-operatório, podendo ainda permanecer curativos leves sobre as cicatrizes residuais, caso sejam necessários. Uma faixa modeladora comprimindo suavemente a face é deixada por tempo prolongado (determinado pelo médico).

Retirada dos pontos  

Em média, do 5º ao 14º dia.

Cuidado com os cabelos 

Entre o 3º e o 7º dia de pós-operatório seus cabelos já poderão ser lavados e penteados, todavia esses atos devem ser desempenhados com cautela e delicadeza. Para secá-los, faça uso de secador manual com ar discretamente aquecido (nunca quente). Caso use tinturas, essas estarão liberadas apenas após a 3ª semana de pós-operatório.

Uso de maquiagem 

Nas pálpebras, três dias após a retirada dos pontos. Na face, em torno de 10 dias. Como este prazo pode variar de acordo com a sua recuperação, peça sugestões ao seu cirurgião.

Retorno às atividades esportivas

Pacientes submetidas à Frontoplastia podem retornar às atividades esportivas depois de decorridos 45 dias da cirurgia, porém devem observar restrição a exposição solar. No entanto deve se observar orientação estrita de não sofrer qualquer trauma na região frontal (testa).